Agricultura

Muito jovem, e já é referência na região

Flávia Giasante, de Primeiro de Maio, assumiu a gestão da propriedade da família aos 27, ao lado da mãe, com o apoio dos funcionários e sob a orientação técnica da Cocamar

Graduada em farmácia, Flávia Giansante tinha 27 anos em 2014 e uma carreira prestes a começar quando se viu diante do desafio que mudaria completamente seu destino.

A perda do pai, Sernai, vítima de um acidente aéreo ocorrido em março daquele ano, no intervalo entre a colheita de soja e a semeadura do milho de inverno, deixou a propriedade de 100 alqueires em Primeiro de Maio (PR), cidade onde a família reside, nas mãos de Flávia e de sua mãe Maria Madalena. O único irmão dela, Sernai Filho, também havia falecido, seis anos antes, em outro acidente de avião. 

“Eu nunca imaginei que um dia viria a ser produtora rural”, afirmou Flávia na tarde quarta-feira (20) à equipe do Rally Cocamar de Produtividade, que a visitou em Primeiro de Maio, norte do Estado, a 70km de Londrina. 

RESPALDO E ORIENTAÇÃO – Hoje aos 32 anos, mãe de Rafaela, de 7, ela é a única mulher a gerir uma propriedade rural em sua região, onde são produzidos soja e milho. E, apesar das dificuldades no início, em especial a falta de conhecimento na área, Flávia encontrou em seus funcionários o respaldo que precisava para a execução dos serviços. Ao mesmo tempo, a Cocamar se prontificou a prestar-lhe toda a orientação técnica para conduzir os negócios. Maria Madalena prefere ficar em casa, na retaguarda, de onde acompanha tudo e participa das decisões com a filha.

DESENVOLTURA – Já com um histórico de cinco safras de milho de inverno e quatro de soja, Flávia vai se saindo bem e o peso da responsabilidade sobre os seus ombros, parece estar mais leve. Ela fala com desenvoltura sobre a atividade e diz estar sendo gratificante enfrentar o desafio de ser uma produtora. Quando ela assumiu a linha de frente dos negócios, produtores mais tradicionais chegaram a não acreditar no seu sucesso, pelo fato de uma mulher muito jovem e sem vivência na atividade, ainda mais quando, fugindo ao padrão regional, se propôs a investir em modernas tecnologias de produção. Flávia enfrentou preconceitos, não se deixou abater e a resposta é que ela já é, atualmente, uma referência regional pelos resultados que tem obtido e por adotar práticas sustentáveis. “Alguns produtores ficam incomodados ao saberem que estou produzindo mais do que eles”, observa.

Sempre em busca

do conhecimento

Com a segurança de poder contar com o envolvimento de uma equipe de colaboradores de sua confiança, formada por Aparecido Silveira e os filhos Júlio César e Juliano, e o apoio técnico da Cocamar, onde recebe atualmente a orientação do agrônomo Luiz Henrique Monteiro Machado, Flávia nunca se recusa a participar de dias de campo, palestras e outros eventos técnicos, inclusive em outras regiões, para adquirir mais conhecimentos e se inteirar de novas tecnologias. E pensa até em cursar administração de empresas para aprimorar a gestão da propriedade.

EMPREENDEDORISMO – Avançando em produtividade nos últimos anos e ficando acima da média regional de 120 sacas de soja por alqueire (49,5 sacas/hectare), Flávia trabalha com a meta de atingir, em breve, 180 sacas de média geral, o equivalente a 73,4 sacas/hectare. Para isso, ela mantém viva a chama empreendedora herdada do pai, um inovador em sua região. Entre outras iniciativas, já com uma visão avançada de sustentabilidade para sua época, ele foi um dos primeiros a adotar o plantio direto, sob a justificativa de que era preciso investir na proteção do solo, o maior patrimônio que um agricultor pode ter. E, buscando a maior eficiência do seu trabalho, mandou trazer uma plantadeira a vácuo de alta performance, coisa que não havia por aqui.

Na mesma linhagem, Flávia é pioneira em sua região no consórcio milho de inverno e braquiária, adotando-o pelo segundo ano consecutivo em toda a área cultivada. O consórcio, recomendado pela cooperativa, é estratégia para reestruturar o solo e produzir cobertura de palha para protegê-lo no verão. Além disso, sua propriedade integra um projeto inédito no país, realizado por Cocamar e Embrapa, cuja proposta é avaliar o solo e sua capacidade de infiltração de água.

Ao falar sobre Flávia, o gerente da Cocamar em Primeiro de Maio, Cristiano Bergamasco, afirmou que ela é uma cooperada das mais participativas e adepta a novas tecnologias, sempre procurando seguir as recomendações dos profissionais da cooperativa. Ariane de Faria Lopes, agrônoma da empresa Spraytec, disse que se inspira no sucesso da produtora para se motivar ainda mais em seu dia a dia. E observa que o caso dela deve servir de exemplo e alerta: “é importante que as esposas de produtores estejam engajadas e preparadas, participando da gestão dos negócios”.

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar